quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Haters gonna hate

Existem duas atitudes muito comuns do ser humano:
  1. Se juntar a um 'grupo' ou fazer parte de uma 'tribo';
  2. Julgar os outros pelos seus gostos.
E essas duas atitudes geram um atrito sem fim entre as pessoas.

Um caso especial é qual a entrada em uma tribo não se dá pela vontade da própria pessoa, mas pelos julgamentos que os que estão a sua volta fazem dela, existe uma diferença muito grande entre gostar de Jornada nas Estrelas e ser um trekkie, mas para aquele que julga isso não importa, a sentença já foi dada, e a pessoa irá sofrer todas as conseqüências dessa condição.

A necessidade de analisar e encaixar a outra pessoa numa categoria gera isso, o problema é quando isso passa dos limites, onde esse julgamento é usado de modo pejorativo.


O problema é quando esse tipo de atitude se torna uma modinha, odiar otakus, odiar emos, odiar Restart, etc, existe uma necessidade exagerada de se opor a esses grupos, eles gostam, você não, não é suficiente? é mesmo necessário deixar claro a todos a sua volta, espalhar aos sete ventos que desaprova o gosto do outro?

Criou-se desse modo a pior tribo, a tribo dos "haters" dos anti-otaku-emo-tudo, daqueles que precisam constantemente deixar claro que tudo que foge do 'normal' (definido por eles) merece ser odiado com toda vontade e bastante barulho.


Imagino como reagiriam os "haters" que julgam todos a sua volta ao se encontrar com um Masari na África que tem entre seus costumes beber o sangue de alguns animais para se alimentar, pessoas que não tem a capacidade de entender que as diferenças entre as pessoas existem e são benéficas na maioria dos casos.

E a internet acaba sendo um dos melhores meios para propagar essas atitudes, dada a facilidade que se tem em falar o que se pensa quando se está atrás do teclado.

O que falta é mais respeito com os gostos dos outros, além do que, para mim essas atitudes se classificam como preconceito, e deveriam ser tratadas como tal.
Postar um comentário